Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

Candidaturas ao 5º Prémio Nacional de Reabilitação Urbana encerram esta semana

A dois dias do final da fase de candidaturas, a 10 de fevereiro, a 5ª edição deste prémio regista já 20 projetos a concurso oriundos de Lisboa, Porto, Guimarães Oeiras, Funchal, Évora e Cadaval.

Ana Tavares

As categorias, assim como as localizações, também são diversas neste primeiro lote de concorrentes à edição de 2017 do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana. Entre os cerca de 20 projetos que já apresentaram a sua pré-candidatura, de acordo com as informações reveladas pela organização da iniciativa ao Público Imobiliário, incluem-se intervenções de reabilitação para habitação, sedes corporativas e associativas, comércio, espaços públicos, escolas ou equipamentos religiosos. Lisboa é a cidade que, nesta fase, lidera os concorrentes, com projetos localizados nos mais diversos bairros, entre os quais a Baixa, Chiado, Bica, Belém, Príncipe Real ou Cais do Sodré. Mas o Porto, Guimarães, Évora, Oeiras, Funchal e Cadaval também competem, numa lista em que constam já promotores de referência na área da reabilitação urbana como a Eastbanc, a Level Constellation ou Coporgest; a par de investimento realizado por particulares. A iniciativa autárquica também está evidenciada, com projetos das câmaras do Cadaval, Guimarães e Oeiras a integrarem os concorrentes já inscritos; assim como reabilitações levadas a cabo por entidades como a Santa Casa da Misericórdia do Porto, a Ordem dos Engenheiros Técnicos ou Fábrica da Igreja Paroquial de São Pedro (Évora).

Entre os concorrentes ao Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2017 contam-se já a reabilitação do Palácio Faria, no Príncipe Real; e o Park Avenue, junto ao Parque Eduardo VII; ambos em Lisboa; bem como o Centro Corporativo da Santa Casa da Misericórdia do Porto, que reabilitou o antigo edifício do Instituto Araújo Porto, inaugurado em 1907. O espaço Espelho de Água, em Belém, ou o Cobre Cocktail Corner, no Cais do Sodré, também estão na competição.



Organização otimista

A pouco mais de dois dias para o encerramento da fase de candidaturas, a organização do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana mostra-se otimista quanto ao cômputo final, antecipando que o número de projetos a concurso volte a crescer face à edição anterior, que registou um total de 60 candidatos. Até porque, “a experiência de edições anteriores mostra que, o volume maior de candidaturas é formalizado na semana final”, comenta António Gil Machado, diretor da iniciativa. “Tendo em conta este ritmo, o facto de o mercado de reabilitação se manter bastante dinâmico e, sobretudo, o facto de se tratar de uma iniciativa plenamente consolidada, estamos muito confiantes em manter a taxa de crescimento das últimas edições, que se tem fixado entre os 10 e 15% de aumento anual no número de projetos candidatos”. Para António Gil Machado, este crescimento é um “excelente barómetro da atividade de reabilitação urbana no nosso país”, já que “os projetos que se candidatem numa edição anterior não poderão voltar a submeter-se a concurso, comprovando que o pipeline de obras de reabilitação é bastante elevado”.

As candidaturas terminam esta sexta-feira, dia 10 de fevereiro, e podem ser efetuadas através do site do prémio (www.premio.vidaimobiliaria.com), decorrendo, entre 17 de fevereiro e 10 de março, o período de formalização das mesmas e a respetiva entrega dos dossiers com toda a informação que será avaliada pelo corpo de jurados. Ao júri, constituído por cinco personalidades independentes e de reconhecido mérito, cabe a decisão de eleger os vencedores em cada categoria, admitindo-se e concurso, nesta edição, todas as intervenções de reabilitação urbana terminadas entre 1 de janeiro de 2015 e 31 de dezembro de 2016 e que não se tivessem candidatado em edições anteriores desta iniciativa. As candidaturas podem ser submetidas por qualquer entidade interveniente nos projetos, desde que devidamente autorizadas pelo proprietário, sendo os vencedores anunciados numa cerimónia que terá lugar na Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa, este ano a decorrer entre os dias 27 de março e 2 de abril, no Teatro Capitólio, no espaço Parque Mayer, em Lisboa. O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana conta uma vez mais com o Alto Patrocínio do Governo de Portugal, concedido através da Direção Geral do Património Cultural, entidade tutelada pelo Ministério da Cultura.



Inovação volta a marcar edição de 2017

No espírito de inovação e dinamismo que caracteriza esta iniciativa coorganizada pela Vida Imobiliária e pela Promevi, a 5ª edição do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana apresenta várias novidades. Desde logo, o apoio institucional da SECIL à iniciativa, à qual a empresa se associa de forma alargada. Também o júri se apresentará renovado, contando com a integração do professor João Duque, em substituição do professor Augusto Mateus; e do arquiteto Nuno Valentim, em substituição do arquiteto João Mendes Ribeiro. João Pedro Falcão de Campos, Manuel Reis Campos e João Appleton manter-se-ão no corpo de jurados.

Outra novidade é a introdução de uma nova menção honrosa para a “Melhor Reabilitação Estrutural”, que visa distinguir a melhor intervenção de preservação estrutural do edificado. Esta menção junta-se, assim, às menções de honra para a “Melhor Reabilitação Inferior a 1.000 m²”, “Melhor Intervenção de Restauro” e “Melhor Solução Eficiência Energética”, que se somam às principais categorias a concurso, nomeadamente nas áreas residencial, comercial/serviços, turismo e impacto social. Todos os anos é ainda atribuído o prémio especial do júri à Cidade de Lisboa, homenageando a melhor intervenção realizada na cidade anfitriã.

O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana foi criado para premiar a excelência na renovação das cidades portuguesas e distingue todos os anos os melhores projetos de reabilitação urbana no nosso país. Lançada em 2013, a iniciativa conta com um vasto apoio do setor empresarial, institucional e da sociedade civil. Na sua nova edição, além do apoio alargado da SECIL, a iniciativa conta com os patrocínios platina da Schmitt+Sohn Elevadores, da CGD e da Aguirre Newman. Nos patrocínios ouro, renovam o apoio a Revigrés e a Sanitana. O IMPIC, a CPCI, a Ordem dos Arquitectos, a União das Misericórdias Portuguesas e a ALP renovam também o seu apoio institucional ao evento.





Iniciativa recebe apoio amplo da SECIL

Uma das novidades da 5ª edição do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana é o apoio institucional da SECIL, que se associa de forma ampla, e pela primeira vez, à iniciativa. Este apoio está em linha com o empenho que a maior cimenteira nacional sempre teve no reconhecimento público da qualidade de obras e intervenções realizadas em Portugal, a exemplo da sua iniciativa própria, os Prémios SECIL.