Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

É urgente reestruturar o quadro comunitário Portugal 2020

O atual quadro comunitário Portugal 2020 não considerou verbas adequadas quer para o setor social, quer para a regeneração e reabilitação, disse Bernardo Reis, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga

O atual quadro comunitário Portugal 2020 precisa ser reestruturado, sobretudo porque não considerou verbas adequadas quer para o setor social, quer para a regeneração e reabilitação, disse ao Público Imobiliário Bernardo Reis, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga. Setores que, de resto, esta instituição considera de grande relevância na atualidade, “devido ao aumento da esperança média de vida, com as suas implicações ao nível da saúde, e à necessidade de recuperar os centros históricos ou áreas periféricas, com prédios em elevado grau de degradação, os quais se consideram fundamentais para revitalizar estes espaços centrais das cidades”.

Aliás, esclarece Bernardo Reis que muitas das instituições de solidariedade social, incluindo as misericórdias, têm as suas instalações com necessidades prioritárias para as adaptar à atualidade e sem receitas para fazer os respetivos investimentos, donde os fundos comunitários deveriam contemplar verbas para fazer face a estas dificuldades, “uma vez que estas têm sido, ao longo de séculos, especialmente as misericórdias, o apoio em complementaridade a qualquer arco governativo”.

O provedor avança que há misericórdias que têm projetos de reabilitação e regeneração aprovados e prontos para entrarem em concurso público e construção, como é o caso da Santa Casa da Misericórdia de Braga, para instalar os Cuidados Continuados Integrados, que são fundamentais na atualidade e dos quais a cidade de Braga muito necessita. “As verbas às quais era possível concorrer situavam-se entre 300 mil e 400 mil euros e como é do conhecimento geral, a Rede dos Cuidados Continuados não permite obter receitas para amortizar o investimento, o que tem trazido sérias dificuldades às Instituições de Solidariedade Social. A reestruturação do Portugal 2020 era muito importante para fazer face a este e muitos outros problemas nacionais, fundamentais para o país”.



A reestruturação do São Marcos

Questionado sobre como decorre o esforço de recuperação das antigas instalações do Hospital de São Marcos, Bernardo Reis esclarece que, em maio de 2011, o complexo deste Hospital deixou de abarcar a atividade hospitalar desenvolvida ao longo de cinco séculos, por força da transferência dessa atividade para as novas instalações construídas de raiz em Sete Fontes. “Ficaram assim vagos seis edifícios que compõem o complexo do Hospital de São Marcos, devolvidos pelo Estado à instituição. Esta situação criou sérios problemas à Misericórdia, pois no conjunto constituíam 47.177 m2 de edificado, com alguns edifícios em vias de degradação e ocupando uma área de implantação de 16.000 m2 de área, localizados no Centro Histórico de Braga”.

Destes edifícios, o provedor menciona já ter sido recuperado o Palácio do Raio, com apoio de Fundos Comunitários do anterior programa (QREN) – Programa Operacional Regional Norte ON.2, com vista à instalação do Centro Interpretativo das Memórias da Misericórdia de Braga, inaugurado em 28 de dezembro de 2015.

“Neste momento, encontram-se também em recuperação três edifícios, após o estabelecimento de um contrato de direito de superfície com o Grupo Vila Galé – Sociedade de Empreendimentos Turísticos, SA, para instalação de uma unidade hoteleira, cuja inauguração está prevista para 9 de junho do corrente ano. A requalificação e adaptação para hotel permitirá não só combater o elevado grau de degradação do edifício, mas também mostrar e promover a arquitetura histórica deste património, evitando as elevadas despesas de manutenção e contribuindo para a projeção turística da cidade de Braga”.

Resta ainda, termina Bernardo Reis, encontrar uma solução de utilização para dois edifícios deste conjunto – o Bloco Operatório e o Pavilhão Sul (destinado a internamento de doentes) – cuja área bruta total é de cerca de 18.000m2.