Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

Governo prepara seguro multirrisco de responsabilidade civil para AL

O Governo está a preparar a criação do seguro multirrisco de responsabilidade civil exigido ao alojamento local com as últimas alterações legislativas que entraram em vigor em outubro

A última alteração ao regime jurídico do alojamento local, introduzida pela Lei n.º 62/2018, de 22 de agosto, impõe ao titular da exploração a obrigação de celebrar um seguro multirrisco de responsabilidade civil, cujo estatuto não existe. Falando na conferência “O impacto das alterações ao regime do Alojamento Local”, que teve lugar no último dia da Semana da Reabilitação Urbana do Porto, Eduardo Miranda, presidente da ALEP, avançou que a Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2019, aprovado no passado dia 29 de novembro, contém já um pedido de autorização legislativa para rever o regime do contrato de seguro. “Aprovado este pedido, será rapidamente publicada a Portaria necessária à alteração do Regime do Contrato de Seguro, suprindo esta lacuna legislativa”.

A exigência de um seguro de responsabilidade civil é um dos aspetos que o responsável pela ALEP considera como positiva na nova lei. A Eduardo Miranda preocupa essencialmente o facto desta alteração “ter perdido uma boa oportunidade para regular a relação entre vizinhos, residentes e hóspedes” e, sobretudo, “a interpretação que operadores, condóminos e municípios venham a fazer desta lei”.



Porto promete análise cuidada das necessidades de contenção

Entre as principais novidades desta alteração legislativa destaca-se também o reforço dos poderes dos municípios, que vão poder estabelecer quotas máximas de estabelecimentos de alojamento local, por freguesia, identificando ‘áreas de contenção’.

“O Porto não vai criar áreas de contenção antes de perceber o estado da cidade”, garantiu na ocasião Ricardo Valente, Vereador dos Pelouros da Economia, Turismo e Comércio da Câmara Municipal do Porto, contando que “está em curso uma análise que engloba não só o alojamento local, mas também as demais questões habitacionais da cidade”.