Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

Portabilidade das avaliações promove transparência do mercado

A portabilidade dos relatórios de avaliação dos imóveis entre os bancos trará aos consumidores poupanças consideráveis.

O projeto de lei 624/XIII/3ª visa evitar que o consumidor tenha que pagar várias avaliações sobre o mesmo imóvel, caso seja avaliado por várias instituições no mesmo período. De acordo com o diploma, as instituições de crédito passam a ter de entregar ao consumidor um original do relatório e outros documentos da avaliação feita ao imóvel pelo banco, ou por terceiro a pedido deste, no prazo de cinco dias desde a data da sua emissão.

O consumidor poderá propor a outra instituição que utilize o mesmo relatório, desde que este tenha sido emitido há menos de seis meses e a avaliação tenha sido realizada, a expensas do mutuário, por perito avaliador de imóveis registado junto da CMVM. Caso o banco não aceite utilizar o relatório, caberá a este suportar os custos da avaliação.

O presidente da APEMIP, Luís Lima, recorda que “a portabilidade das avaliações estava já prevista em lei aprovada em 2015”. No entanto, “apesar da legislação, competia ao Banco de Portugal, aprovar a regulamentação sobre a matéria”, que “acabou por nunca existir, fazendo com que as instituições financeiras nunca adotassem critérios uniformes”.

“Um dos grandes desafios que persiste no mercado residencial nacional é a falta de informação credível e atual sobre o número de transações e os valores dos imóveis”, refere Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal. A “portabilidade implica, por isso, menos custos, maior transparência, maior rapidez e mais rigor na informação”. A poupança direta “reside no custo da avaliação, que irá necessariamente diminuir e, no caso de o cliente consultar mais do que um banco para a obtenção de crédito à habitação, apenas precisa de pagar uma vez a avaliação”, resume.

Para as empresas, a medida “evitará constrangimentos” criados por “critérios de avaliação dos imóveis diferentes”, fazendo com que “o mesmo ativo tenha avaliações mais favoráveis em determinadas instituições financeiras”, refere Luís Lima. Assim, “quanto mais independente for a avaliação de um imóvel, mais segura e transparente será a atribuição de crédito à habitação e os negócios imobiliários”. No entanto, “é necessário que haja uma regulamentação que seja aplicada de igual forma a todas as instituições, para que os critérios e elementos de avaliação dos ativos sejam sempre os mesmos”, conclui.

Antecipando a aprovação deste projeto lei, a Century 21 Portugal lança uma campanha, até 31 de dezembro, que integra a oferta do Relatório de Avaliação Certificada de Imóvel. Esta iniciativa beneficia os clientes da marca com a isenção do custo de avaliação bancária, sempre que solicitem um crédito à habitação num dos bancos aderentes. Até ao momento, aderiram já a esta iniciativa a Caixa Geral de Depósitos e o banco CTT.

Os proprietários que pretendem vender “obtêm vantagens advindas da transparência em relação ao valor do seu imóvel, o que aumenta a credibilidade do proprietário e permite uma maior atratividade do seu imóvel, para os potenciais compradores”. Aos consumidores, permite “maior simplicidade e rapidez no processo”, dado que “a Century 21 Portugal, a empresa avaliadora certificada e os bancos aderentes integraram os seus sistemas informáticos”, o que “garante um processo mais célere”, refere Ricardo Sousa.

As instituições financeiras “também incorporam ganhos de eficiência, porque a portabilidade da Avaliação Certificada de Imóveis permite diminuir os tempos de resposta aos clientes”. Para a realização desta campanha, a Century 21 Portugal firmou uma parceria com a Prime Yield para efetuar os relatórios de avaliação.