Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

Retalho dinamiza imobiliário não residencial

Até final do ano passado estavam em processo de licenciamento cerca de 1200 projetos de imobiliário não residencial em Portugal Continental, num total de 1,7 milhões de m2. Face a 2015, o pipeline deste tipo de projetos (em número) cresceu 37%, impulsionado quer pelo aumento de projetos de promoção nova (que subiu de 562 para 688 projetos) quer de projetos resultantes de obras de reabilitação (de 279 para 468 projetos).

Os dados são revelados pela Confidencial Imobiliário (Ci), no âmbito da análise dos pré-certificados energéticos emitidos pela Adene em 2016, que permitem perceber as intenções de investimento em desenvolvimento imobiliário.

O retalho foi o setor que motivou maior número de projetos em pipeline (474, ou seja 41% do total nacional), seguindo-se os equipamentos sociais, com um peso de 31% e 376 novos edifícios. Já o turismo e os escritórios apresentaram quotas de 13% e 12%, respetivamente, com 149 novos empreendimentos turísticos e 137 novos edifícios de escritórios em carteira.

Também em termos de área, lideram os segmentos de equipamentos sociais e retalho, com respetivamente, 620 mil m2 e 593 mil m2 em pipeline. No caso dos projetos turísticos, a área em carteira em 2016 ascendia a 284 mil m2, e nos escritórios a 173,3 mil m2.

Os edifícios com menos de 1000 m2 dominam o pipeline nacional (65% da área total), mas também os projetos entre 1000 e 5000 m2 se apresentam significativos, agregando 31% da carteira. Ainda assim, destacam-se alguns projetos de grande dimensão, como um estabelecimento de saúde (equipamento social), com cerca de 60 mil m2 situado em Lisboa, bem como outros dois equipamentos sociais em Braga e Lisboa, com mais de 20 mil m2 cada.

No retalho, as duas maiores unidades em carteira em 2016 situavam-se em Loulé, com áreas de 72,5 mil m2 e 34,7 mil m2. Nos escritórios sobressaem dois projetos com mais de 30 mil m2, um em Lisboa (na zona das Avenidas Novas) e outro em Oeiras. Já no setor de turismo, os projetos com maior dimensão situaram-se em Sintra e Lisboa, com 25,5 mil m2 e 19,1 mil m2, respetivamente.