Pesquise a sua casa passo a passo

SIGA OS SEGUINTES PASSOS PARA OBTER O SEU RELATÓRIO DE VALOR IMOBILIÁRIO

  • 1 Preencha o formulário abaixo com os dados do fogo cujo valor/renda pretende determinar.
  • 2 Confirme antes de submeter o formulário.
  • 3 Preencha os campos com os seus dados de contacto.
  • 4 Proceda ao pagamento eletrónico do serviço. Cada Relatório tem um preço de 30,00€.
  • 5 Os dados do imóvel serão reportados à Confidencial Imobiliário (Ci) que em 24 horas* devolve um relatório por via eletrónica. Antes de serem enviados, os resultados são validados por um técnico da Ci, recorrendo à análise estatística do mercado / tipologia selecionados.
  • * No caso de pedidos realizados aos sábados, domingos ou feriados, ou após as 18h00, as 24 horas contam-se a partir das 9h00 do 1º dia útil seguinte.

Notícia

Zonas da Asprela e de Campanhã são os novos eixos para a competitividade

A Câmara do Porto definiu como zonas de intervenção prioritária a Asprela, uma área dedicada à academia e à investigação, Campanhã e Bonfim, onde serão instaladas grandes unidades industriais

A autarquia, a Universidade do Porto e o Instituto Politécnico do Porto irão promover, em conjunto, uma estratégia de branding para a zona da Asprela - o ‘Porto Innovation District’

O Porto está hoje “na vanguarda das cidades que possuem um ambiente de negócios mais competitivo”, afirmou o vereador da Economia, Turismo e Comércio da Câmara do Porto, Ricardo Valente, que falava durante a última sessão do projeto InFocus Porto, a 25 de maio, no Palácio da Bolsa. Uma dinâmica que se espelha nos números da autarquia “mais de 900 milhões de euros de investimentos na cidade, com 31 projetos já finalizados pela InvestPorto e cerca de 142 novos projetos que se encontram em fase de preparação”.

De olhos postos no futuro, a Câmara quer “uma cidade mais competitiva e melhor colocada no radar do investimento internacional em diversas áreas de atividade”. E, para isso, definiu, com base nas conclusões do projeto InFocus, duas zonas de investimento estratégico, a Asprela e a zona mais oriental da cidade, Campanhã e Bonfim.

A autarquia, a Universidade do Porto e o Instituto Politécnico do Porto irão promover, em conjunto, uma estratégia de branding para a zona da Asprela - o ‘Porto Innovation District’, uma área dedicada à academia e à investigação. Até 2022 deverão nascer novos edifícios, com diferentes funções e usos, espaços públicos deverão ser transformados e desenvolvidas novas áreas verdes.

Para as zonas de Campanhã e do Bonfim estão definidos dois projetos estruturantes: o Terminal Intermodal de Campanhã e a Requalificação e Reconversão do Antigo Matadouro do Porto.

“Campanhã é uma das prioridades da autarquia”, reafirmou Pedro Baganha, vereador do urbanismo da Câmara Municipal do Porto, acrescentando que “é fundamental reconectar aquela área à cidade”. “Há já algumas empresas a se instalarem naquela zona, atentas às características promissoras daquele território e outras que vão chegar”, disse.

A autarquia tem um alargado plano de investimento para a zona mais oriental da cidade. A operação de reabilitação urbana da ARU de Campanhã-Estação prevê uma profunda operação de reconversão e de reabilitação urbana, associado a um investimento global de cerca de 75 milhões de euros, num prazo de dez anos.



Câmara já tem vencedor para a reconversão do antigo Matadouro

A requalificação do Antigo Matadouro Industrial do Porto é uma das grandes obras da autarquia, com mais de 20 mil metros quadrados e orçada em 15 milhões de euros.

Sobre o concurso para a requalificação e exploração deste equipamento, a que concorreram as empresas Mota-Engil, a ABB e o consórcio da Lucios, Pedro Baganha disse que “já há vencedor e será publicamente anunciado nos próximos dias”. A empresa selecionada será responsável pela reabilitação de grande parte do equipamento, sendo que apenas algumas estruturas serão demolidas. Será construído um novo edifício, nas traseiras do terreno, a partir do qual será aberta uma nova ligação direta ao metro e ao parque de estacionamento do Estádio do Dragão.

Ao vencedor caberá também a maior parte da exploração, “35 a 38% do equipamento ficará a cargo da Câmara Municipal do Porto, sendo que o restante ficará à exploração do operador que ganhou o concurso”, explicou.