Costa da Caparica é a freguesia mais valorizada de Almada

23/07/2020
20200618_160457.jpg

A proximidade a Lisboa tem dado um especial impulso ao mercado imobiliário de Almada, no distrito de Setúbal. O preço médio de venda da habitação no concelho atingiu os 1.608 €/m2 em junho, de acordo os mais recentes dados do SIR-Sistema de Informação Residencial. Nas moradias, o valor fixou-se em 1.534€/m2.

Esta tendência de subida de preços não é propriamente recente. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, comprar casa em Almada nos primeiros três meses deste ano custou, em média, 1.576 euros por metro quadrado. Preços que, de resto, subiram a um ritmo superior ao de Lisboa e do resto do país e que não traduzem ainda o impacto da covid-19 no mercado habitacional.

Mas não só o facto de estar próxima da capital torna Almada atrativa. O concelho tem 35 km contínuos de relação com a água, numa costa banhada pelo Oceano Atlântico e pelo Rio Tejo, maioritariamente abrangidos por projetos de requalificação. Situada a poucos minutos da capital do país, servida por importantes infraestruturas viárias e uma ampla rede de transportes públicos, Almada assume-se especialmente atrativa nas áreas do turismo, das pequenas indústrias, da investigação, da tecnologia, do comércio e dos serviços. A Autarquia isenta do pagamento de taxas de urbanização as novas localizações de indústrias de base tecnológica e em 80% os empreendimentos turísticos, tornando o concelho mais atrativo para a captação de investimento.

A Aldeia dos Capuchos

O ativo apresentado pelo Millennium bcp, é um empreendimento composto por 94 lotes de terreno para construção, situados na Urbanização Aldeia dos Capuchos, na Caparica, em Almada, onde se integra o Hotel Aldeia dos Capuchos Golf & SPA. A cerca de dois quilómetros das praias da Costa e numa zona provida de bons acessos rodoviários, os lotes destinam-se à construção de moradias, habitação multifamiliar, apartamentos turísticos.

A Aldeia dos Capuchos situa-se na extrema ocidental da arriba fóssil da Caparica, com uma área de intervenção de cerca de 30 hectares, dos quais 10 hectares são áreas verdes, tendo como pano de fundo a paisagem e a vista sobre o Atlântico, o Bugio e a foz do Tejo.

Na zona existe pouca oferta com as caraterísticas dos lotes em destaque, pelo que, garante o Banco, será um fator positivo, aliado ao facto de ter um bom enquadramento urbanístico e vistas mar, bem como a disponibilidade de comércio, serviços e equipamento urbano.

Os acessos são bons, com comunicação à A33 a IC20 e A2, conferindo-lhe escoamento por vias rápidas quer para norte, quer para sul do país.

O banco salienta que este empreendimento está classificado como Projeto de Potencial Interesse Nacional (PIN) e trata-se do primeiro marco de grande qualidade arquitetónica da região, da autoria do Arq. João Paciência e do Arq. Sidónio Pardal, numa zona de vocação turística e zona urbana.

O loteamento onde se inserem os ativos do banco é composto por 109 lotes, onde se encontra apenas edificado o lote do hotel, o campo de golfe de nove buracos, três moradias e oito lotes de habitação coletiva.

Na zona de vocação turística inserem-se os lotes 1 a 77 (moradias), o lote 78 (hotel) e os lotes 79 e 80 (apartamentos turísticos).

Já na zona urbana, inserem-se os lotes 81 a 108 destinados a habitação coletiva (com espaços comerciais nos lotes 97 a 101) e o lote 109 destinado a equipamento escolar. A entidade bancária alerta para o facto de existir um ónus inscrito no Registo Predial, respeitante aos lotes do banco, situação a considerar no processo negocial.

“Estamos perante um conjunto de 94 lotes de terreno urbanos para a construção de moradias e de prédios habitacionais, pelo que é um ativo vocacionado para promotores e investidores que desenvolvam o aldeamento com localização única”, comentou ao Público Imobiliário Ramiro Gomes, responsável de Vendas Grandes Imóveis Sul, da Direção de Crédito Especializado e Imobiliário, do Millennium bcp.

Conjugação de interesses

O especialista diz que, atendendo à dimensão do ativo, poderá existir uma conjugação de interesses, ou seja, existir mais que uma entidade interessada e existir uma partilha, atendendo às especificidades dos lotes. “Uma entidade poderia desenvolver a construção das moradias e a outra desenvolver a construção de prédios habitacionais”, exemplificou.

Nesta primeira fase de venda, o banco procura um interessado único para os dois conjuntos de lotes - moradias e habitação multifamiliar. Como grande atrativo, está a localização da Urbanização que é, no entender de Ramiro Gomes, única. “A zona tem localização privilegiada, disfruta de excelentes vistas sobre as praias da Costa da Caparica e sobre Lisboa, não existindo outra oferta com esta dimensão e capacidade construtiva, contando já com as infraestruturas existentes”.

Os bons acessos rodoviários com via direta à IC20 e à A33, a existência superfície comercial na proximidade e de Hotel e Campo de Golfe, são outros atrativos de excelência e muito valorizados nos dias hoje.

Face à atratividade e exclusividade da zona, o Millennium bcp acredita estar perante um ativo que irá gerar vários Interessados, muito motivado pela nova procura dos clientes finais em ativos fora dos grandes centros urbanos e com espaços exteriores. “Estamos a encarar com otimismo e confiança a rápida concretização da sua venda, face ao potencial do ativo em causa”.