José Cardoso Botelho
José Cardoso Botelho
Managing Director, Vanguard Properties

Portugal continuará a ser atrativo

26/07/2020

O impacto imediato e de curto-prazo da pandemia será substancial, divergindo em função do segmento de mercado.

No mercado residencial, da promoção, irão ocorrer alguns cancelamentos de reservas contratadas, menor procura e atraso na celebração de contratos.

Em termos de tesouraria ou realização de mais-valias, o impacto será reduzido, visto que, a maioria dos promotores não recorrem aos sinais para financiar os projetos e o lucro apenas é apurado na fase de celebração das escrituras.

No segmento dos escritórios e retalho, haverá com certeza, elevado número de inquilinos a pedir apoio aos senhorios, nomeadamente redução parcial ou total da renda ou pagamento diferido. Haverá uma menor rentabilidade, a curto-prazo, mas sem impacto significativo no valor dos ativos.

Acreditamos que, Portugal, continuará a ser atrativo para quem nos deseja visitar, investir e viver. Até ao momento, demonstrámos ser um País sereno, com um governo ponderado e esperamos todos, um sistema de saúde não inferior aos nossos parceiros.

Um aspeto importante. As consequências desta crise, não se resolvem apenas com injeção de capital através da emissão de divida. Resolvem-se, também, pela ética que deve imperar nos negócios, não tentando vingar à custa da desgraça alheia, e pagando o que é devido, a tempo.

É particularmente relevante para Portugal, criar as condições para a retoma do turismo e do imobiliário, captando mais investimento e atraindo estrangeiros interessados em Portugal para aqui residir, trabalhar ou simplesmente disfrutar de uma confortável reforma.

Deve, pois, o Governo, repensar as medidas anunciadas sobre os GV. Afinal de contas, o setor da construção, promoção e turismo, representa mais de 30% do PIB.