SOLUÇÃO CASA

Saxun lança novas gamas de proteção térmica e solar

Com a primavera, chegam duas novas gamas de produtos que comprovam que a inovação é o fator fundamental para criar produtos totalmente enquadrados nas metas da economia circular e da descarbonização. A primeira novidade são as Lonas Green da Saxun que oxigenam o ar e a segunda são os tecidos Cosmo Perla Saxun produzidos com plástico reciclado.

Cosmo Perla da Saxun: o tecido comprometido com o planeta

A Giménez Ganga acaba de criar um novo material para as suas cortinas e estores Saxun que incorpora um tecido feito de PET e 100% reciclado de garrafas de plástico. Os novos tecidos Cosmo Perla da Saxun fazem mais do que proporcionar design e tecnologia de ponta para assegurar níveis superiores de proteção térmica e solar das habitações. Protegem também os recursos naturais do planeta, porque os resíduos estão a invadir os oceanos, a ameaçar a biodiversidade marítima e a comprometer a sustentabilidade ambiental do planeta, o que torna a reutilização do plástico um dos maiores desafios da atualidade.

Cumprindo os princípios básicos da Economia Circular, os novos tecidos Cosmo Perla da Saxun foram concebidos ​​para reutilizar resíduos de plástico, permitindo, assim, dar uma nova vida ao plástico e tirar partido das suas características mais valorizadas para criar soluções de proteção solar e térmica, que garantem a redução de consumos energéticos na climatização dos espaços, e geram mais-valias de sustentabilidade ambiental, quer para o utilizador, quer para o planeta.

Estes novos tecidos Cosmo Perla da Saxun, produzidos a partir do plástico, também são totalmente recicláveis, o que comprova que a circularidade da economia já não é apenas uma ideia a concretizar, mas uma realidade disponível para quem pretende contribuir para os processos de descarbonização da economia e para a sustentabilidade do planeta.

Lonas Green: o primeiro tecido que purifica o ar

A oxigenação do ar já não é só realizada por árvores e plantas. Graças à inovação dos seus fornecedores Sauleda e Pureti, a Saxun incorporou na sua linha de tecidos para exteriores uma das inovações mais disruptivas, a nível global, em termos de proteção do ambiente: as Lonas Green - que reduzem os poluentes atmosféricos como os óxidos de nitrogénio (NOx), óxidos de enxofre (SOx) e compostos orgânicos voláteis (VOC), produtos químicos que contêm carbono e existem em todos os elementos vivos. O acabamento desta linha de tecidos atua na incidência dos raios UV promovendo um processo químico que purifica e oxigena o ar, absorvendo o dióxido de carbono e transformando-o em oxigénio.

As Lonas Green são revestidas com nano partículas de dióxido de titânio (TiO2) sobre as quais incidem os raios UV, desencadeando um processo químico que converte o oxigénio e o vapor de água da atmosfera em agentes de limpeza OH e O2. Desta forma, o hidróxido (OH) converte compostos orgânicos voláteis em minerais e gás e transforma-os em H20. O OH reduz o óxido de nitrogénio, um dos gases mais nocivos no ar, a nitratos relativamente inofensivos.

Conforme comprovado pelos testes realizados, é possível garantir que este processo reduz os níveis de dióxido de nitrogénio em cerca de 55%. Além disso, elimina 60% dos fungos e tem um efeito auto purificante de cerca de 70%. Uma solução que demonstra que se o futuro mais imediato envolve a redução de recursos, o passo seguinte é regenerá-los.

Depois do desenvolvimento de tecnologia inovadora, é a vez de o design se aliar aos objetivos da sustentabilidade ambiental para disponibilizar uma grande variedade de cores para que o cuidado com o ambiente se adapte perfeitamente à arquitetura de cada fachada e ao gosto de cada um.

Pedro Giménez Barceló, CEO da Giménez Ganga, acrescenta em comunicado que «atualmente, os consumidores procuram eficiência nos materiais e sistemas construtivos, mas também exigem, cada vez mais, que a indústria promova a inovação e apresente soluções que assegurem menor impacto ambiental e níveis mais elevados de sustentabilidade. A estratégia de inovação que assumimos está intrinsecamente ligada ao nosso compromisso com a sustentabilidade ambiental. Num mundo cada vez mais interligado, a nossa saúde depende incontornavelmente da saúde do planeta. O futuro começa hoje e se será sustentável, ou não, depende apenas das nossas opções».

Relacionados